Tomando refúgio no Buddha, Dharma e Sangha

V.27 Oração de refúgio

Esta tradicional oração de refúgio, comum a todas as escolas do Buddhismo Tibetano, é atribuída a Atiśa [381]

Até que eu alcance o despertar, eu tomo refúgio nas joias do Buddha, Dharma e Sangha.

Pelo karma benéfico de praticar as seis perfeições [382], que eu possa alcançar o despertar para o bem de todos os seres sencientes!

“O Precioso Ornamento da Liberação”, pgs.124–25, trad. T.A.

 

V.28 Diferentes motivações para se tomar refúgio

Esta passagem expõe a diferença entre a atitude do “Hīnayāna” [383] e do Mahāyāna no sentido de tomar refúgio.

Alguém pode tomar refúgio com duas motivações. A motivação comum daquele que é incapaz de suportar o próprio sofrimento, e a motivação especial daquele que não pode suportar o sofrimento dos outros.

“O Precioso Ornamento da Liberação”, pgs.124-25, trad. T.A.

 

V.29 Cerimônia do Refúgio

O ritual de tomar refúgio é executado diante de um professor espiritual ou guru. Dos dois tipos de cerimônias de refúgio – simples e elaborado – descritos por Gampopa no oitavo capítulo do seu “O Precioso Ornamento da Liberação”, o que se segue é o simples.

Primeiro, o discípulo roga ao professor (para realizar a cerimônia). Em seguida, o professor dá sequência às preparações fazendo oferendas em frente às representações das Três Joias ou, se isso não for possível, ele imagina as Três Joias no céu e lhes rende homenagem e oferendas mentalmente. Então, o discípulo deve seguir o professor, repetindo : “Todos os Buddhas e bodhisattvas, por favor, ouçam-me! Mestre, por favor, ouça-me! Eu – chamado fulano tal – a partir de agora, até chegar ao coração do despertar, tomo refúgio no Buddha, o mais supremo ser humano; tomo refúgio no Dharma, a liberdade mais suprema em relação ao apego; e tomo refúgio na Sangha, a comunidade mais suprema!” Com sinceridade, ele deve repetir isso por três vezes.

“O Precioso Ornamento da Liberação”, pg.125, trad. T.A.

 

Notas:

[381] veja *V.10.

[382] As seis práticas principais do bodhisattva: generosidade, disciplina ética, paciência, vigor, absorção meditativa  e sabedoria (ver *M.100–06 e *V.42–54). Note que este voto de refúgio também inclui o voto mahāyāna de bodhicitta (ver *V.37).

[383] Sobre isto, ver a nota no “Veículo Menor” no *V.13.