Atitude para com outras tradições espirituais

Th.15 O Dhamma não é para converter os outros, mas para ajudá-los a serem pessoas melhores

Nesta passagem, o Buddha fala a um asceta errante que não é buddhista e enfatiza que ele quer ajudar as pessoas a progredir moral e espiritualmente, e não, especificamente, ganhar discípulos [182].

Nigrodha, você pode pensar: “O renunciante Gotama diz tal coisa a fim de obter pupilos”. Mas você não deve considerar dessa maneira. Deixe aquele que é seu professor permanecer seu professor. Ou você pode pensar: “Ele quer nos afastar de nossas instruções…”. Ele quer nos estabelecer nas coisas que são insalubres e reconhecidas como prejudiciais de acordo com os nossos professores…”. “Ele quer nos afastar das coisas que são saudáveis ​​e tidas como saudáveis de acordo com os professores”. Mas você não deve considerar assim. Deixe tudo o que é saudável e tido como saudável de acordo com seus professores permanecer como está. Nigrodha, eu não falo por qualquer dessas razões.

Existem Nigrodha, as coisas prejudiciais que não foram abandonadas, que maculam, e  que conduzem ao renascimento, angustiantes, produtoras de resultados dolorosos, associadas a nascimento, decadência e morte futuras. É pelo abandono dessas coisas que eu exponho o ensinamento. Se você praticar em conformidade, as coisas impuras serão abandonadas, e as coisas que levam à purificação irão crescer, e você alcançará e permanecerá, nesta vida, na plenitude do insight e da perfeição, tendo realizado isto diretamente pelo seu próprio conhecimento superior”.

Udumbarika-sīhanāda Sutta: Dīgha-Nikāya III.56-57, trad. P.D.P.